Em 1989 por ocasião da proposta da FEB da realização, á nível nacional, da Campanha “Viver em Família”, companheiros do antigo DIJ da CEERJ se reuniram para estruturarem um evento voltado especificamente para a família a ser realizado em conjunto com a COMEERJ.
O evento recebeu o nome de “Encontro da Família” e foi desenvolvido com o mesmo tema da COMEERJ e, desta forma, a infra-estrutura, por estar pronta, serviu aos dois eventos.
Por se tratar da família, os objetivos específicos, a metodologia a ser aplicada, os enfoques e as ações estavam voltados para as questões familiares.
Como na COMEERJ, a permanência dos participantes é em tempo integral, algumas dificuldades surgiram por parte dos pais que não podiam atender a essa exigência.
Assim, surgiu a ideia de se utilizar os espaços das Casas Espíritas na realização do evento. Desta forma, o encontro passou a acontecer dentro e fora dos Polos de COMEERJ.
O público alvo eram os pais dos jovens que estavam ou não na COMEERJ.
O primeiro Encontro da Família aconteceu no ano de 1990.
A partir do ano de 1993, acontece o 1º encontro com a denominação de “Encontro Estadual da Família Espírita – ENEFE” consagrando o feriado de carnaval como o período de realização.

No mesmo ano de criação do ENEFE em 06 de novembro, a Federação Espírita Brasileira - FEB lançou, a nível nacional, a Campanha “Viver em Família”, cujo lançamento no Estado do Rio de Janeiro aconteceu, simultaneamente, em vários municípios além da capital.
A campanha criada para ocorrer durante o ano de 1994 em comemoração ao Ano Internacional da Família, foi ampliada e divulgada, permanentemente, através do ENEFE que manteve, na integra, os seus objetivos.
Assim, a cada ano, os encontros em torno da temática “família” vêm se ampliando e ganhando força dentro do Movimento Espírita Estadual acontecendo ao longo do ano e não somente no feriado de carnaval.

Missão: “Fortalecer a família com base nos ensinamentos da Doutrina Espírita, para que ela se veja como agente de mudança junto aos espíritos que lhe estão vinculados a fim de alcançarem a felicidade na comunhão com Deus”.
Oferecer aos participantes condições que os levem:
a) à valorização do estudo sistemático da Doutrina Espírita primando pela sua pureza, vivenciado através de atividades pedagógico-educacionais;
b) à sensibilização para a vivência dos ensinamentos cristãos, consigo mesmo, perante a família, a instituição Espírita e a Sociedade, com vistas à Missão Espiritual do Brasil.
Intensificar a Unificação do Movimento Espírita Infanto-Juvenil e da Família do Estado do Rio de Janeiro.
Reafirmar e destacar a importante função educadora e regeneradora da família.
Promover e realizar atividades que possibilitem a troca de informações e de experiências, a ajuda recíproca e o trabalho em conjunto.

Justificativa:
Porque no período de carnaval a atmosfera é envolvida por ondas mentais em desequilíbrio emitidas por mentes encarnadas e desencarnadas, causando sérios prejuízos aos habitantes do planeta. Diante deste fato, as atividades desenvolvidas de acordo com os princípios doutrinários do Espiritismo pelo ENEFE vem contribuindo com a harmonia do planeta levando esclarecimento, consolo e orientação aos seus participantes.
"(...) Um grupo advoga ser imprescindível fechar-se a Instituição Espírita nos dias de Carnaval e de festas populares outras, por causa de vibrações negativas, para evitar-se perturbações de pessoas alcoolizadas ou vândalos que se aproveitam dessas ocasiões para promoverem desordem. A Sociedade Espírita que se sustenta na realização dos postulados que apregoa tem estruturas que a defendem, de um como do outro lado da vida.(...) Acautelar-se, em exagero, do mal, é duvidar da ação do bem ...
(...) Nestes dias, nos quais são maiores e mais freqüentes os infortúnios, os insucessos, os sofrimentos, é que se deve estar a postos no "lar da caridade", a fim de poder-se ministrar socorro. Por fim, quanto às vibrações serem mais perniciosas em dias deste porte, não há dúvida. A providência a ser tomada deve constituir-se de esforço de valor e de energias salutares para enfrentar-se a situação.
(Livro: Nas Fronteiras da Loucura, Manoel Philomeno de Miranda-Divaldo Pereira Franco-Editora LEAL)


Metas a alcançar
Curto prazo ( 2009 a 2017)
1-Manter pelo menos um núcleo de ENEFE em cada CEU.
2-Promover, pelo menos, um Encontro de Família anual em 50% das Casas Espíritas que realizam o ENEFE.