darcynevesmoreiraReapresentando a Revista Espírita.

Abriremos espaço especial para a reapresentação desta publicação que contem uma prodigiosa fonte de informações sobre o Espiritismo, trazendo artigos, mensagem que consideramos interessantes divulgar ao movimento espírita, convidando os leitores a mergulhar neste manancial de ricos documentos trazidos pelo Prof. Rivail/ Allan Kardec.

Em janeiro de 1858 é publicado o exemplar no. 01 da Revista Espírita – Jornal de Estudos Psicológicos –de Allan Kardec.
É uma coletânea de fatos, explicações teóricas e de trechos destacados que completam a exposição de O Livro dos Espíritos e de O Livro dos Médiuns. Sua leitura pode ser feita ao mesmo tempo que a daquelas obras, mas será mais proveitosa e sobretudo mais compreensível após a leituras de O Livro dos Espíritos.
Em suas páginas há um verdadeiro documentário . Informa Kardec em Obras Póstumas :” A Revista foi até agora e não poderia deixar de ser, uma obra pessoal, visto que fazia parte de nossas obras doutrinárias, constituindo os Anais do Espiritismo. Por seu intermédio é que todos os princípios nobres foram elaborados e entregues ao estudo. Era pois necessário conservar o seu caráter individual, para que se estabelecesse a unidade.”
Allan Kardec trabalhou neste documentário no período de janeiro de 1858 a abril de 1869 e, tendo desencarnado em 31 de março , já havia deixado pronto o exemplar de abril- portanto onze anos de trabalho ininterrupto, recebendo e analisando matérias que chegavam de todas as partes da Europa utilizando-se da luz do candelabro e da pena de ganso. Apresentou e ampliou questões apresentadas nos livros da Codificação.
Na introdução do primeiro numero faz abordagem sobre a rapidez da propagação das manifestações espíritas, esclarecendo a necessidade de da observação e do estudo..
Afirma o Codificador na Introdução deste primeiro número:” A consequência capital que se destaca desses fenômenos é a comunicação que os homens podem estabelecer com os seres do mundo incorpóreo e, dentro de certos limites, o conhecimento que podem adquirir de seu estado futuro.”
Acrescenta ainda que “largo espaço será igualmente reservado às comunicações escritas ou verbais dos espíritos, desde que tenham um fim útil, assim como às evocações de personagens antigas ou atuais, conhecidas ou obscuras , sem desprezar as evocações íntimas que, muitas vezes, nem por isso são menos instrutivas. Numa palavra: abarcaremos todas as fases das manifestações materiais e inteligentes do mundo incorpóreo.!.. A doutrina espírita oferece-nos enfim a solução possível e racional de uma porção de fenômenos morais e antropológicos, que testemunhamos diariamente, e cuja explicação inutilmente buscaremos em todas as doutrinas conhecidas....Como se vê, nosso quadro compreende tudo quanto se liga ao conhecimento da parte metafísica do homem. Estudá-la-emos no seu estado presente e no futuro, pois estudar a natureza do Espíritos é estudar o homem, por isso que êste um dia participará do mundo dos Espíritos. Eis por que adicionamos ao título principal, o subtítulo jornal de estudos psicológicos, a fim de dar a compreender toda a sua importância.
(extraído da Revista Espírita,1858- edição Edicel)